terça-feira, 20 de maio de 2008

carta n°4 [a carta que eu não te escrevi]

Não me pergunte sobre aquele dia, pois me foge a lembrança. Coisas que são melhores esquecidas. Mas sempre levo teu rosto (por benção ou maldição). Sei que o tempo era muito vasto e muito curto, e que o espaço despedaçava. Diluia em lágriams algumas que brotavam puras e benevolentes à dor, criavam cravos e rosas e flores do campo, pequeninas e brancas em numerosas coroas.
Lembro que a memória refestelava, e que a alma se partia (tamanho golpe que, sim, me lembro como se fosse ontem). Lembro que na fenda ficou vazio. Lembro que o vazio se encheu de veneno, que matava toda graça.
Lembro que tudo que fora dito, foi esquecido. Lembro que só me ficaram (ainda até hoje me perseguem) as palavras não ditas, entaladas, mutiladas no silêncio.
Lembro do travesseiro duro, da coberta fria, da noite demente que se arrastava perante as estrelas.
Lembro que o dia amanheceu como um desejo agonizante de viver...arrastou-se, arrastou-se...
e lá pela quase meia-noite dormiu.
Nunca te perguntei: como você gostava de mim?
Sei que eu nutria por você, e não me era segredo, inveja.
Uma inveja brincalhona, como que de um fã, de irmão mais novo. Minha vontade era mesmo te encontrar cada vez mais no meu espelho, no meu espírito. Queria ser como você, andar como você, falar como você, agir, sentir, pensar, amar e sofrer como você. Muitas vezes me odiava, se não pela minha incompetência, pela idiotice dessa inveja. Na verdade, ela ainda existe.
Nunca tive pena de você. Senhor de si, sei que havia algum motivo... E se não tivesse, não importava. Mesmo naquela madrugada que deprimia até a mais cálida rosa branca.

Não tinha pena, mas já não tinha inveja, nem ria...
A dor era tanta naquela despedida tão definitiva, tão eterna... perdia-se o sentido.
Enquanto te escondiam com madeira e terra e cruzes e números, mesmo assim submerso, te sentia ainda soerguido, vivo e inteiro, ao meu lado no vento, murmurante... em mim.

----
OBS:
a única e verídica carta
04/03/2007
(para o bruno)
__
imagem:http://damdam.typepad.com/_au_fil_de_mes_journes_/images/2007/03/14/78341958_73af52f87f.jpg

Um comentário:

Luiza disse...

Ai que dor,ai que saudade.
é linda.