sábado, 4 de novembro de 2006

ilimites




minha poesia só é limitada
pelo limite dos meus sonhos.
sonho alto, portanto,
pra fazer grande o que sinto.

e o que sinto se cala.
e o que se cala consente.
consente a falar um nada
na folha ausente.

minha poesia é a minha ausência.
minha poesia é o que não tenho
e o único refúgio que se esconde
na palma da minha mão.

--------

*eu fasso poesia
a poesia me faz
...
e tudo faz sentido.

----------

as mil palavras por trás do gesto

até parece
que é vivendo
que a gente percebe:
as palavras falam,
cada vez mais,
menos.

*imagem de http://ttv.paksut.net/photo/12.2.05_setti/images/hand.jpg

2 comentários:

Benny Franklin disse...

Poesias de fina estampa. Tiro no ecuro. Almas expostas. Parabéns!

Camila Antonieta disse...

vc tem o dom trem. hehe.
saudades.